Plágio e demais condutas inadequadas na pesquisa acadêmica

No ambiente acadêmico, especialmente quando estamos na graduação e nosso contato com a produção científica é recente, acabamos, mesmo sem querer, cometendo algumas atitudes que não são corretas. Por isso, é muito importante conhecer boas práticas em pesquisa e como não cometer plágio.
O plágio é a cópia ou apropriação de conteúdo de obra alheia ou própria (autoplágio), sem atribuição de autoria, na apresentação de obra literária, artística ou científica. Para evitar o plágio e não infringir a Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610, de 19 fevereiro de 1998) utilize adequadamente as normas:

  1. ABNT NBR 10520/2002 – Informação e documentação – citação em documentos;
  2. ABNT NBR 6023/2018 – Informação e documentação – referências.

Ao usar as normas de documentação corretamente você evita o plágio, resguarda os direitos do autor e qualifica o seu estudo.
O plágio não é a única má conduta acadêmica, qualquer prática que não respeite as diretrizes institucionais e legais é considerada má conduta. São ações que prejudicam a integridade do processo e dos agentes da pesquisa (dados, autores, curso, revista, instituição, etc.). Podem estar associadas a má fé, comportamentos preconceituosos, manipulação de informações e outros. São alguns exemplos de má conduta:

  1. inclusão indevida de autoria – inclusão do nome de uma pessoa que não participou da produção da obra;
  2. exclusão indevida de autoria – exclusão do nome de uma pessoa que participou da elaboração da obra;
  3. fabricação, manipulação ou omissão de dados, informações, procedimentos metodológicos, entre outros;
  4. omissão de fonte de financiamento da pesquisa, quando assim exigido;
  5. omissão de conflito de interesse de qualquer natureza;
  6. apropriação de ideia de terceiro, não publicada;
  7. exposição indevida de dado sigiloso ou confidencial não autorizada privada ou sigilosa que possam identificar direta ou indiretamente pessoa ou instituição cuja identidade deveria ser resguardada;
  8. apresentação de obra discriminatória com conteúdo preconceituoso em relação à origem, raça, sexo, cor, idade, situação social, orientação sexual ou quaisquer outras formas de discriminação, ofensivo aos direitos humanos;
  9. utilização indevida de obras licenciadas (CreativeCommons, licença de software ou outra licença) em desacordo com as permissões estabelecidas na respectiva licença;
  10. inserção de informação falsa em currículo.

Os alunos, pesquisadores, técnicos ou docentes que cometem plágio e má conduta estão sujeitos às sanções e penalidades, que variam de acordo com a instituição.
Fique atento às normas e procedimentos acadêmicos para garantir uma jornada acadêmica íntegra. Em caso de dúvidas, procure a Biblioteca.

Este texto foi construído a partir do material “Orientações antiplágio e boas práticas em pesquisa”.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Biblioteca Universitária. Comissão de plágio e má conduta em pesquisa. Orientações antiplágio e boas práticas em pesquisa. Florianópolis, [2020]. Disponível em:
http://portal.bu.ufsc.br/files/2013/10/Orienta%C3%A7%C3%B5es-antipl%C3%A1gio-e-boas-pr%C3%A1ticas-em-pesquisa.pdf.  Acesso em: 10 fev. 2020.

#paratodosverem: foto da autora. Roberta é branca, tem cabelos loiros e ondulados na altura dos ombros. Usa um vestido prateado com colar de bolas no mesmo tom, está sorrindo.

Roberta Moraes de Bem

Bibliotecária BU/UFSC
Serviço de Circulação e Recuperação da Informação